segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Cárcere


Cárcere das minhas ideias
das minhas atitudes
e da minha alma.
Cárcere dos meus pensamentos
das minhas angustias e do meu sofrimento.
Cárcere da medíocre instabilidade dos teus sentimentos
dos meus sonhos,dos nossos tormentos.
Cárcere que me prende ,que te prende
que nos separa,que nos assusta e nos detém.
Cárcere meu  e teu
e de mais ninguém.
Cárcere de minha boca que louca quer liberdade,
cárcere do que sinto sem maldade.
Instantes...presos...em sentimentos
em vontades ,cárcere por dentro.
Cárcere da minha sanidade feita de ilusão
que outrora liberta era toda a minha razão.
Cárcere do que fui...do que sou
cárcere dos sonhos que não sonho mais.

Marcia M.



6 comentários:

Dilmar Gomes disse...

Poema bonito, Marcia. Gosto de tudo que o Milton Nascimento canta. Agradeço aqui, tua visita ao meu modesto espaço. Um abraço.
Tenhas uma linda semana.

R. R. Barcellos disse...

Busca o teu carcereiro. Ele está do outro lado do espelho. E sobre ele exerce teu poder. E alcançarás tua liberdade... se é isso o que queres.

Belo poema, Marcia. Beijos.

Everson Russo disse...

E que se liberte tudo...sentimentos..movimentos...amor,,,olhares,,,,beijos menina e uma bela noite pra ti.

Toninhobira disse...

Otima construção Marcia num lindo poema de mergulho fundo.Linda musica.
Penso que li este poema pelo FACE.
Um abração e bela semana de paz e luz.
Bjo.

Pat. disse...

Tens o dom de emocionar nas palavras..
Obrigada por seu carinho, presença e mimos...
Beijo

Manuel Luis disse...

Uma exposição fantástica de um ser bem vivo! Não é fácil encontrar quem se exponha de forma fraterna num mundo cada vês mais individualista. Tu estas aqui destemida bem apresentada e rodeada de carinho, mimos, emoções e muita boa vontade.
Obrigado por estares ao meu lado, eu ficarei por aqui cuja escolha não foi difícil.
Abraços